Poupança de eletricidade no condomínio

Poupanca de eletricidade

Poupanca de eletricidade

A primeira regra básica para poupança na eletricidade do condomínio é verificar todas as luzes do prédio com a finalidade de saber que tipo de lâmpadas estão a ser utilizadas. A lâmpada LED possui diversas vantagens, em termos comparativos é até 90% mais eficientes do que as incandescentes, e a sua durabilidade é 8 vezes superior a lâmpada de halogéneo. Não atrai insetos e não há emissão de radiação UV, sendo por tanto, a mais indicada.

Outro aspeto importante são os sensores de movimento, sua função é detetar a presença do individuo através de raios infravermelhos. Isso ocorre quando passamos pelos campos do feixe projetado, como também, através da alteração de temperatura. Nestas duas situações o circuito fecha-se, ligando a luz por um tempo programado ou enquanto houver movimentação. O sensor é ligado à corrente e ao equipamento que deseja ativar, desta forma evita eficazmente o desperdício de eletricidade.

Analisámos algumas simulações realizadas nos websites de algumas empresas bastante conhecidas no mercado liberalizado da eletricidade. Os contratos não obrigam mais a fidelização, desta forma poderá mudar para outro fornecedor a qualquer momento e usufruir de descontos e tarifas mais atrativas do mercado. Na nossa simulação considerámos a potência contratada de 13,8 kVA e consumo de 100/kWh. Normalmente a potência mínima contratada para um condomínio é 13,8 kVA. Este valor poderá ser facilmente ultrapassado num edifício de média ou grandes dimensões. Quanto maior a potência contratada, maior o impacto em alguns tarifários apresentados no mercado.

Por favor, siga-nos ou deixe seu like:
 

Deixe seu comentário